Adriana Bertini utiliza a arte para falar de sexualidade e como instrumento de denúncia

A artivista Adriana Bertini participou neste domingo (17) de live do Museu Vozes Diversas dentro do Ciclo +positHIVe. A conversa com a dramaturga, diretora teatral, e gestora do Museu, Cintia Alves acontece justamente no dia em que se encerra a OCUPAÇÃO Adriana Bertini.

O Museu Vozes Diversas (https://www.vozesdiversas.com/) é um espaço digital de exposição de arte, cultura e educação não-normativa. O seu acervo é paulatinamente formado por “ocupações”. Cada artista, interessado em participar do Museu, “ocupa” as redes sociais (Facebook, Youtube, Instagram e Spotify) por uma semana e, nesse período, faz postagens, textos e vídeos que representam tanto a sua obra como o significado da sua existência no mundo.

Cintia começou contando que Adriana é uma artista multimídia que utiliza recursos para abordar o tema HIV/aids de uma maneira muito sensível e não convencional e que investiga a arte como instrumento de mudança social.

Trabalhando com artes visuais há 30 anos e especificamente com HIV/aids há 26, Adriana explicou que o objetivo de sua pesquisa, de sua investigação é pensar plural, diverso e multidisciplinar. “Com essa narrativa de pensamento, eu digo que eu faço ‘arte afeto’, que também é um ato de resistência, resiliência. Eu exploro três eixos temáticos: a saúde sexual e reprodutiva; o estigma e a discriminação; e o impacto ambiental.”

Adriana passou por 54 países mostrando seu trabalho e provocando reflexão por onde passou. Ela explora vários elementos em sua obra, sendo o preservativo o carro-chefe. “Eu utilizo várias fontes desse material: preservativos que não são distribuídos pela Saúde e perdem a validade; refugo da indústria nacional, material com falha de produção; aqueles utilizados em testes de qualidade; e os apreendidos em contrabando.”

A artista foi desenvolvendo técnicas, caminhos, para desenvolver uma arte que não existia. Ela ganhou uma bolsa de investigação do Museu Mundial da Suécia onde ela pôde explorar diversos materiais, orgânicos e inorgânicos. “Este é um eixo do trabalho estético, mas que fala de comportamento, de sexualidade, de atenção básica, de discriminação, da arte como denúncia e fala de afetos.  O que eu faço é tentar desconstruir essa narrativa de morte, com uma estética lúdica, da moda.”

Com o passar dos anos Adriana ampliou seu material de trabalho incluindo kits de autoteste para HIV, medicamentos e espéculos (bicos de pato) entre outros objetos, sempre reutilizando itens vencidos. “Este trabalho mais recente com espéculos faz uma denúncia de quantas mulheres e meninas perderam o acesso à atenção básica durante a pandemia, a ponto de a gente ter esse insumo vencido”, observa.

Cíntia comentou que a artista trata a sexualidade com muito humor, com um conteúdo subliminar enorme, que ela considera o grande trunfo da produção de Adriana. “Você tem um resultado estético belo, mas tem muitas camadas de criação ali”, comentou a dramaturga.

“Às vezes, é até um pouco incompreendido. Porque eu tento falar também de política, de economia, junto com sexualidade, com meio ambiente, promoção à saúde – não à doença. É muito plural, muito diversa essa linha de raciocínio. Por isso que eu dou várias aulas, principalmente em universidades fora do Brasil, sobre como falar de sexualidade sob esse outro aspecto, o da arte. E como incentivar que as relações sejam mais saudáveis. Incentivar o uso da PrEp, da PEP, adesão ao tratamento antirretroviral, à testagem”, complementou Adriana.

Conheça algumas das obras da Ocupação Adriana Bertini:

Jardim de Espéculos – 2021

Incisão – Agosto/2020 Técnica: Oxidação de metais sob tecidos hospitalares e gaze, colagem e costura com linha cirúrgica. Lambe-lambe I 100x100cm

Nosso sangue é legítimo – 2020

Série Adesão

Germinação sob placas de auto teste de hcv e hcv – hepatites virais

 

Assista a live na íntegra no link abaixo:

 

 

Adriana Bertini cria roupas com camisinhas para conscientização sobre HIV

Dior, Chanel, Balenciaga e Valentino são as principais inspirações de Adriana Bertini para criar seus vestidos de festa, todos feitos a mão, em um processo que se assemelha aos trabalhos artesanais de costureiros de ateliês de alta-costura. Porém, em vez seda, algodão e cristais bordados, a artista plástica brasileira usa uma matéria prima inusitada para suas peças: camisinhas.

O projeto Condom Couture surgiu em 1996, quando Adriana era voluntária do Grupo de Apoio à Prevenção da Aids, na comunidade paulistana de Heliópolis, e recebeu o desafio de fazer uma intervenção de rua com 144 preservativos que já estavam fora do prazo de validade. Desde então, a artista expandiu o número de peças feitas de camisinhas. Ela já expôs seu trabalho em museus na Ásia, África, Europa e América, e atraiu a atenção de artistas como Richard Gere, que hoje é parceiro do projeto com a Richard Gere Foundation, e do músico Elton John.

Além de terem status de arte, as roupas confeccionadas por Adriana servem como forma de conscientização sobre o uso de preservativo e prevenção do vírus HIV. “Como fazer as pessoas usarem o preservativo antes da relação sexual se elas não têm intimidade com o objeto? Elas mal conhecem o toque e a textura”, diz a artista. “Gostando ou não da minha obra, o público se identifica com as peças e questiona no sentido mais profundo o uso do preservativo”, continua.

O principal objetivo de Adriana, que também realiza projetos sociais com crianças portadoras do vírus do HIV, é ajudar a formar uma geração livre da Aids – uma meta distante. “A prevenção está falha. Fala-se do uso da camisinha, mas não em mudar o comportamento. No Brasil, o índice do uso de preservativo entre os jovens é de 60%, o que é pouco porque entre eles a incidência de HIV e Aids está subindo alarmantemente”, afirma.